terça-feira, 14 de novembro de 2017

4 semanas - primeira consulta

Depois de um percurso como este, não ficamos sossegadas só com testes positivos.
Os valores estavam bons e duplicavam a cada 48 horas, o que indicava um bom prognóstico. Ainda assim, não estava calma. Parecia que era constantemente assombrada pelo passado e tinha a sensação de que algo de mal podia acontecer. Tinha medo de me desiludir.
Se estava mesmo grávida porque é que eu não sentia nada? Nem um ligeiro enjoo matinal!

Consegui marcar consulta na obstetra (adoro esta palavra!) para as 4 semanas e 5 dias. Sim, eu sei que é demasiado cedo mas mesmo assim eu quis marcar.
A Dra. F acedeu a minha ficha, visto que já tinha feito análises e consultas de pré-conceção naquele hospital. Viu que era imune à toxoplasmose e à rubéola mas não era imune ao citomegalovirus. Deu algumas recomendações sobre alimentação e outros cuidados e questionou sobre a medicação que estava a tomar.

Progeffik de 8 em 8 horas
Estrofem de 12 em 12 horas
Cartia 1 x por dia

Finalmente fomos espreitar o que se estava a passar no útero.
"Ora cá está o saquinho... por acaso até tem dois saquinhos", disse a Dra. F.
Dois?? 😍 Olhei logo para o marido que sempre disse que adorava ter gémeos!
"O tamanho está compatível com o tempo de gestação, os contornos são regulares... parece estar tudo bem para já. Mas temos que ter calma. Temos que aguardar para ver se evoluem os dois. É muito comum haver 2 sacos gestacionais e depois só um deles evoluir."
No final deu-nos os parabéns e marcou nova consulta para daí a duas semanas.

Saímos da consulta radiantes! Dois saquinhos! Estava tudo bem!


Isso até eu ver na impressão da eco que um saquinho era claramente maior que outro. Pior! Comecei a ver medidas de sacos gestacionais pela internet e comecei a ficar muito insegura. E ía ter que aguentar duas semanas para ter novidades.

Positivo!

Os dias que se seguem a uma transferência são de muita ansiedade. Desta vez, decidi não fazer repouso. Fui trabalhar normalmente com o cuidado de não fazer grandes esforços. Escusado será dizer que a "distração" do trabalho não foi suficiente para não andar à caça de sintomas.
Tive direito aos mesmos sintomas de sempre: moinhas e pontadas no fundo da barriga e mamas doridas. Estes são os meus sintomas de sempre, quer seja em ciclo natural ou ciclo de tratamento. Uns dias antes da data prevista para o vermelhão aparecer as moinhas e pontadas mantêm-se e as mamas deixam de doer. Sempre! E desta vez não foi diferente.
Pronto! As mamas deixaram de doer, acabou!
Porquê? Porquê?? Porque raio tem que ser assim?

Não ía ficar naquela angústia! Preferia sofrer tudo já! Quanto mais cedo e rápido melhor.
Tinham passado 6 dias da transferência. Seriam 11 dias de vida dos embriões, se ainda existissem. Tinha comigo alguns daqueles testes baratinhos que se vendem por aí. Não hesitei. Fiz o teste a meio da tarde.
...
Não fui capaz de olhar logo para o resultado. Senti o meu coração a bater muito rápido como que a querer saltar-me do peito. Fechei os olhos e pensei várias coisas ao mesmo tempo: E se agora eu tivesse uma surpresa e por milagre visse duas riscas? Impossível! Porque é que a porcaria das mamas deixaram de doer? Porque é que é sempre assim? Porque os embriões nunca ficam cá?
Ainda apertei as mamas, ou melhor, quase esmaguei, espremi. Dei-lhes socos para ver se voltavam a doer mas nada...

Lá abri só um olho para ver o teste, como se ver só com um olho diminuísse o sofrimento! Mas estive  tanto tempo com os olhos fechados que não conseguia ver nada. Abri bem os dois olhos e virei o teste para a luz. E... Pareceu-me ver qualquer coisa! Parecia estar uma segunda risca clara! Fiquei aparvalhada e sem reação. Atendi um cliente em modo automático e assim que saiu fui novamente olhar para o teste. Olhei para ele durante muito tempo, de vários ângulos. Não havia dúvida, estava ali uma segunda risca! Mandei uma foto ao marido que imediatamente respondeu: "Oh meu Deus!!! Estás grávida!!!"


No dia seguinte, 7 dias após a transferência repeti o teste. Novamente positivo mas fraquinho. Estava nas nuvens! Mas ainda não estava segura.

Mais um dia e mais 2 testes. De manhã fiz outro teste, desta vez com a primeira urina. Linha bem mais forte!



Ainda não satisfeita, depois do almoço pedi ao marido para comprar um teste clearblue digital.
Resultado: Grávida 2-3



Ok. Foi aqui que fiquei histérica. Grávida! GRÁVIDA! Eu? Será mesmo real??

Dia 29 lá fui de manhã colher sangue para saber qual o valor daquele beta hcg. Infelizmente por ser Sábado disseram que não me poderiam enviar o resultado no próprio dia.
Como assim??, perguntei. Expliquei que era urgente e que o médico estava à espera do resultado naquele dia. E que sempre me deram o resultado no próprio dia. Responderam que por ser urgente iam enviar na segunda-feira seguinte. Fiquei muito irritada mas enfim... Tive mesmo que esperar.
Segunda-feira seguinte lá chegou o resultado por e-mail: 283 mUI/mL. Belo número, não acham?
4 dias depois fui invadida por uma enorme insegurança e fiz outro beta hcg. Resultado 1182 mUI/mL 😍

4ª FIV

Foi em Julho deste ano que renovamos a esperança e fizemos mais um tratamento. Cansados, esgotados, com medo e meio assombrados pelo passado... Mas fizemos, a quarta fiv com microinjeção - ICSI.

Dia 0: 11 ovócitos 
Dia 1: 8 fecundaram
Dia 2 e 3: 8 embriõezinhos. 7 bons e 1 fraquinho. Até aqui tudo normal. O problema era a partir daqui. 
Dia 5: Dos 8, 2 embriões atingiram o estado de blastocisto e 1 um continuava por lá mas mais atrasado, ainda em estado de mórula.

Fizemos então a transferência daqueles 2 embriões.
Mais uma vez lá estava eu naquela marquesa de bexiga cheia e ver um pontinho luminoso a entrar no meu útero. Como sempre a transferência correu bem. Fácil, rápida e indolor. Depois disso ficamos uns 20 minutos a repousar. "Será desta vez?", pensei. Por um lado, temos sempre esperança que finalmente corra bem. Por outro, porque raio haveria de ser desta? Ainda tanta coisa podia correr mal!
Após os 20 minutos, veio a enfermeira dizer que já me podia levantar e ir fazer o xixi. Vesti-me com a ajuda do marido e a seguir fui ao WC. Que alívio! De repente fui assombrada por um pensamento muito mau (e muito estúpido também!): E se os embriões caíram na sanita?? 😱
Levantei-me rápido e fiquei a olhar fixamente para o fundo da sanita para ver se os via. 
Mia! Que estás a fazer? Os embriões não caem! E mesmo que caíssem não seriam visíveis!, pensou o meu lado racional. Que ridícula Mia!
O famoso beta hcg deveria ser feito 12 dias após a transferência. Mas disse logo que não. Não podia ficar na incerteza durante tantos dias! Para quê? Podia perfeitamente fazer o beta 9 dias após a transferência que seria 14 dias de vida dos embriões. Já teria um resultado bem fiável portanto não iria esperar mais do que isso.
Dia 29 de Julho era dia de saber se os embriões continuavam comigo ou não.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Sim, ainda estou por aqui...

E não, o meu projeto ainda não se concretizou.
Se desisti? Não! Até ficava bonito escrever "não sou mulher de disistir", mas não vou dizer isso porque estaria a mentir. A verdade é que eu desisto de tudo. Posso ficar entusiasmada com alguma coisa mas quando vejo que dá muito trabalho ou perante o mínimo obstáculo eu desisto, rendo-me! Mas... Neste caso é diferente. Não se trata de um capricho, trata-se do MEU PROJETO de vida! E por isso, apesar de todos os obstáculos e dificuldades, não desisti nem vou desistir!

Passou quase 1 ano desde a última publicação. Foram várias as vezes que tentei vir aqui escrever mas as palavras não me saíam. Hoje, dia 11 de Julho de 2017, faz precisamente 1 ano que fiz a punção, da qual resultaram 10 ovócitos, 9 madurinhos. Dia 16 de Julho fiz a transferência de 2 blastocistos que me inundaram de esperança! Mas 7 dias após a transferência micro sangramentos mudaram o cenário que tinha idealizado. Repouso, muita água e aumentar a dose de progesterona foram as recomendações médicas. Melhorou. Os micro sangramentos ficaram quase imperceptíveis mas continuavam lá. Estava completamente obcecada, só me faltava analisar as coecas e o papel higiénico de lupa! 17 dias após a punção lá fui fazer o bhcg praticamente sem sangramentos e com alguma esperança. Nunca tinha chegado tão longe! O Hellboy batia à porta sempre 13 dias depois da punção e pela primeira vez pude fazer a análise num ambiente sequinho. Infelizmente umas horas depois recebi um resultado de 8. 8!!! Que número tão estúpido, não acham? Nos valores de referência dizia que era positivo acima de 5, e ao lado vinha o intervalo de valores para cada semana de gestação. Enfim... Não precisei que ninguém me dissesse mais nada. Eu sabia muito bem que aquele 8 não era positivo, pelo menos para mim. Nesse mesmo dia deixei a medicação e alguns dias depois lá veio o sangramento abundante e arrojado que se prolongou um pouco mais que o normal. Ora, um Hellboy mais forte, portanto.
Fiquei completamente destruída! Sem entender o que poderia ter corrido mal. Por outro lado, desta vez tinha chegado mais longe, o que de certa forma me deu alguma esperança.

Entretanto, tenho-me "entretido" a ganhar força e euros para continuar na luta. De vez em quando descarrego a minha frustração a responder mal a alguns saloios inconvenientes, outras vezes lanço só o meu ar carrancudo. Sim, provavelmente ganhei uma certa fama de antipática, arrogante, imperialista. Mas sabem que mais? Quero lá saber! Que se pode fazer quando vejo uma cara de sebo a perguntar-me "olha lá, tu estás à espera de quê para dar um neto à tua mãe? Não vês que ela anda em baixo? Aiii... Esta juventude de hoje em dia só quer saber de borgas e ramboiadas." É que nem me atrevo a dizer-vos o que me apetece fazer a esta gente! E já pouco me me importa que não digam por mal. Quero lá saber se é por mal ou por ignorância! Para mim, é por estupidez, burrice, não ter mais nada que fazer, bisbilhotice, enfim... Tudo ao mesmo tempo. Portanto, já que passo por egoísta e miúda fútil que não quer filhos para não ter responsabilidades, não me importo nada de passar por imperialista e antipática. É a minha forma de me defender deste massacre social.


quarta-feira, 20 de julho de 2016

3ª FIV: Pós-Transferência

Hoje é o dia 4 após a transferência e já tenho o coração apertado.
Tendo em conta que transferi embriões com 5 dias, hoje seria o 9° DPO num ciclo normal. E como sempre, a partir do 8° DPO aparecem as pontadinhas no fundo da barriga, ora de um lado, ora do outro. Sempre iguais, sempre na mesma altura. SEMPRE! Seja em ciclo normal, seja em ciclo de FIV.
Porquê? Porque é que têm de aparecer sempre? O que as provoca? Não sei... só sei que são assustadoras e por isso odeio-as.

Sintomas pós-transferência:
D1 - peito dorido e muita retenção urinária.
D2 - peito dorido e alguma retenção urinária.
D3 - peito dorido, pressão nos ovários e pontadas no fundo da barriga.
D4 - peito dorido e pontadas no fundo da barriga.

Tenho tentado manter-me positiva e pensar que desta vez é diferente.
Consegui transferir embriões de 5 dias em estado de blastocisto, um deles expandido. Sei que a taxa de implantação de blastocistos expandidos é alta. O prognóstico é bom. Não é? Mas as pontadinhas estão a atormentar-me! Tenho sido assombrada por pensamentos maus, por recordações más.
Começo a sentir uma angústia que me provoca um nó na garganta.

                          O dia-a-dia do embrião após transferência ao 5° dia
                                    https://vidinhamia.wordpress.com/tag/icsi2/

O dia 5 corresponde ao dia da transferência.
Portanto, se tudo estiver a correr bem, por esta altura, a implantação já está completa. Isso significa que, das duas uma: ou estou grávida ou está tudo perdido.
Quero muito acreditar na primeira hipótese!
Quero muito chegar a dia 28 e saber que altos níveis de hormona coriónica humana circulam no meu sangue! E por falar em sangue, não quero ver vestígios de tal coisa fora do meu corpo nas próximas 37 semanas da minha vida!
Quero que estas pontadas que me atormentam há 3 anos desapareçam e que o meu coração acalme! E já agora, o meu cérebro também!

Hellboy, não te atrevas a aparecer! Deixa-me em paz!

domingo, 17 de julho de 2016

3ª FIV: Transferência

E finalmente ontem de manhã fui buscar os meus filhotes!
Ficamos a saber que tinhamos 2 blastocistos, um expandido e outro inicial. Infelizmente, os outros manos não resistiram.
O Dr. J. quis ver como estavam os ovários antes de fazer a transferência, uma vez que havia aquele risco de desenvolver Síndrome de Hiperestimulação Ovárica. Felizmente, os ovários pareciam bem calminhos e estavam com tamanho normal.
"Pelo que vejo, não me parece que vá hiperestimular", disse o Dr. J. "Mas... estes ovários são uns traiçoeiros! Com estes dois nunca se sabe...", acrescentou.
Explicou-nos que mesmo lhe parecendo que o risco de SHO é baixo, normalmente nestas situações não arriscam transferir mais que um embrião. Contudo, como já contamos com duas falhas de implantação, se nós quisessemos, transferiria os dois. Mas alertou que, caso desenvolva SHO, a coisa seria mázinha. Se já o é em situações "normais", em mulheres com endometriose a coisa piora bastante! "E eu não queria nada que a Mia ficasse internada no hospital com um quadro destes." 😓
Ao ouvir isto, imaginei logo as dores insuportáveis que seriam. Mas respondi que estava disposta a correr esse risco para aumentar as nossas hipóteses.

O Dr. J. deu o OK para o biólogo trazer os nossos pequeninos. Enquanto preparava a transferência, o Dr. J. disse que queria que engravidasse e ia transferir os dois para aumentar as hipóteses mas esperava que não engravidasse de gémeos.
Pois... confesso que essa hipótese também me assusta um bocadinho. Até gostava de ter gémeos, acho bonito. Mas uma gravidez gemelar, por si só, já é mais arriscada. Em casos em que há risco de SHO pior ainda! Então com endometriose, a coisa pode parecer bem assustadora! Por isso, sim, tenho esse receio. Mas prefiro correr o risco de engravidar de gémeos do que não engravidar. Além disso, a probabilidade disso acontecer é baixa.

A transferência foi feita sem dificuldade. Vimos aquele pontinho luminoso a brilhar com os nossos pequeninos juntinhos. 😍
Apesar de um deles estar mais atrasadinho, estavamos felizes e com esperança! Nunca tinhamos chegado tão longe! Pela primeira vez conseguimos transferir dois embriões! E pela primeira vez conseguimos transferir blastocistos! Os nossos fortalhaços resistiram até ao 5° dia e já têm centenas de células e uma cavidade formada no interior, um deles já expandido.


Agora estou naqueles dias de repouso, a imaginar os meus pequeninos a crescer aqui no quentinho ❤
Por favor, não fujam! Fiquem na barriga da mamã!


quarta-feira, 13 de julho de 2016

3ª FIV: Fecundação

Tal como combinado, ontem, terça-feira dia 12, ligaram do laboratório para dar novidades sobre a fecundação. Desta vez, o marido não estava comigo e por isso não lhe pude "passar a pasta" e fugir como fiz da última vez.
Eram 10h31 quando o telemóvel tocou. Até dei um salto e deixei cair o telemóvel. Coração aos pulos e mãos a tremer! Atendi.
"Aim?" Foi o que me saiu! Limpei a garganta e repeti "Sim?"
Do outro lado, uma voz muito bem disposta informou que dos 10 ovócitos, 9 estavam maduros, desses 9, 7 fecundaram bem.
Não cabia em mim de contente! 9 maduros!!! 7 fecundaram! Nunca pensei! Fiquei parva!

Resumindo:
☆ 10 ovócitos obtidos na punção
☆ 9 maduros
☆ 7 fecundados


Respirei de alívio! Naquele dia pude ficar descansada.

Hoje, é o dia 2 dos embriões. Há medida que o tempo passava a ansiedade ia aumentando. Comecei a olhar para o relógio e reparei que já passava das 10h31. "Porque é que ainda não ligaram? Se estão a demorar é porque há más notícias.", pensei.
Eram 11h03 quando o telemóvel tocou. Nervos! Coração aos pulos e mãos a tremer novamente!
Os 7 embriões continuam lá... mas alguns estão mais fraquinhos. Temos 4 de qualidade B e 3 de qualidade C. Disse-me que num deles estavam com dúvidas se seria um B ou um C mas não me lembro se fazia parte do grupo dos 4 B's ou dos 3 C's. Recomendou repouso para os ovários recuperarem bem e que em princípio a transferência seria sexta-feira ou sábado.

Não fiquei contente. Continuo com 7 embriões, eu sei. Foi de longe o melhor resultado que consegui até hoje. Mas... no meio de 7 embriões tinha esperança que houvesse pelo menos um A. Pelo menos 1! Nunca consegui nenhum A. Quase toda a gente na minha idade consegue embriões de qualidade A. Preferia ter menos embriões mas ter A's.
Da última vez transferi um B e não deu em nada 😔
O marido tentou tranquilizar-me e disse que o Cristiano Ronaldo é um A e não ganhou o europeu sozinho. Foi o Éder, que é um D, que marcou golo e nos levou à vitória.
Hmmm...

Resta-nos aguardar...